blog

Dicas para melhorar a memória

O processo natural de envelhecimento leva a um declínio gradual da capacidade do cérebro de aprender e armazenar novas informações, devido à perda progressiva de células cerebrais. À medida que os anos passam, portanto, ocorre um processo degenerativo no cérebro que dificulta a memória a curto prazo ou a capacidade de recordar eventos que aconteceram recentemente, além de aprender novas coisas. Alguns outros fatores podem também provocar uma perda progressiva das capacidades cognitivas, em especial a memória. É o caso do estresse, consumo de álcool ou drogas, certos medicamentos e algumas doenças. Embora a memória e a inteligência são também influenciadas pelos genes, algumas orientações, exercícios e dicas podem nos ajudar a manter por mais tempo um cérebro saudável, além de ajudar a prevenir a doença de Alzheimer. – O sonho reforça a nossa memória Embora os pesquisadores ainda não conseguiram explicar as causas que nos levam a dormir e sonhar, sim, que você tem certeza de que o processo de consolidação da memória ocorre durante o sono. Quando nosso corpo se encontra em repouso, o cérebro se encarrega de processar todo o dia, as diferentes ligações entre os acontecimentos, os sentimentos, as entradas sensoriais e as lembranças. Daí que dormir 7-8 horas de cada dia é fundamental para manter um bom estado de saúde, repor a energia que precisamos para o dia e desfrutar de uma boa memória. O sono é vital para que o cérebro crie memórias e links. Do mesmo modo, quanto melhor for a qualidade do sono, mais fácil será se lembrar e processar as coisas. – Tomar alimentos benéficos para o nosso cérebro e, por conseguinte, a memória Frutas como a maçã, morangos, os mirtilos, as amoras e, em geral, todos os frutos vermelhos, têm um grande poder antioxidante, que protegem o cérebro contra doenças neurodegenerativas. Além disso, permitem-nos melhorar a nossa memória, pelo que o seu consumo é sempre muito benéfico. As verduras, em especial o espinafre, são ricas em luteína, uma sustencia que ajudar a proteger as células cerebrais do efeito degenerativo que vai surgindo com a idade. Além disso, o ácido fólico, que contém ajuda-nos a processar mais rápido a informação. O aipo é outro aliado para a nossa memória, já que um de seus componentes, a luteolina, limita os efeitos negativos causados pelo envelhecimento, além de reduzir a liberação de moléculas que provocam perdas de memória. De Destacar também o grande valor que tem para a nossa memória o consumo de peixe (sardinha, atum, salmão, truta...), já que é rico em ácidos gordos Omega3, fundamentais para o bom funcionamento do sistema nervoso, ao mesmo tempo que retardam o declínio cognitivo Por último, é muito aconselhável tomar chocolate preto, um alimento muito rico antioxidantes que, além disso, está provado que ajuda a melhorar a memória e a concentração. – Comer menos para manter o cérebro jovem e saudável Ao comer de uma forma saudável e moderada, se ativa a molécula CREB1, que ativa genes ligados à longevidade e ao bom funcionamento do cérebro. – Consumir vinho de forma moderada O vinho tem grandes benefícios para o nosso cérebro. Entre outros, combate o envelhecimento precoce das células de memória, o que nos ajuda a prevenir o surgimento do mal de Alzheimer. Além disso, melhora a função cognitiva e a agilidade mental, bem como a demência. – Fazer exercício A prática de exercício regular de forma moderada oferece inúmeros benefícios ao nosso organismo. Estudos recentes têm demonstrado que aumenta também a presença de mitocôndrias em neurônios e células musculares, evitando o aparecimento da fadiga mental. Da mesma forma, o exercício físico aeróbico aumenta o tamanho do hipocampo anterior, o que se traduz em uma maior capacidade de memória espacial. O exercício físico é uma das melhores maneiras que temos de combater a perda de memória associada à idade. – Aprender a relaxar e meditar A prática regular da meditação altera a estrutura física do nosso cérebro, melhorando o seu funcionamento e ajuda a prevenir a deterioração próprio da idade. É, portanto, também uma grande ferramenta para combater doenças neurodegenerativas como o mal de Alzheimer. – Realizar exercícios de treinamento cerebral Treinar uns poucos minutos por dia, com exercícios e jogos nos permitirá treinar nossa memória, atenção ou percepção, além de medir o estado cognitivo e a sua evolução no tempo. Os resultados positivos para o nosso cérebro são visíveis em pouco tempo.